Resenha: Sussurro

Autor: Becca Fitzpatrick
Editora: Intríseca
Páginas: 264
Avaliação: ❤ ❤ ❤ ❤ ❤ (5/5)


Nora é uma menina normal que vive com sua mãe em uma casa de campo um pouco distante do centro da cidade. Ela vive como qualquer menina da sua idade, se tirarmos as partes sobre garotos e loucuras, e possui apenas uma amiga de verdade: Vee. Nora é extremamente focada em seus estudos e nunca tinha se interessado por nenhum garoto do seu colégio, até a chegada de Patch, o misterioso e musculo e lindo e gato menino da sua aula de biologia, que desperta nela, algo que nem mesmo sua melhor amiga, e cupido, Vee teria imaginado. Após a chegada de Patch e seus olhos negros, vários acontecimentos aterrorizantes começam a acontecer na cidade, fazendo com que Nora não saiba em quem realmente confiar. Os mistérios que cercam Patch a intrigam cada vez mais e, ela não consegue decidir se corre para os seus braços ou se corre para se esconder. 
Quanto mais Nora tenta encontrar respostas, mais ela chega perto da pertubadora verdade sobre a sua vida e as pessoas ao seu redor. Algo mais pertubador do que qualquer coisa que Patch a faz sentir. Pois ela descobre que está no meio de uma antiga batalha entre imortais e aqueles que caíram - e, quando se trata de escolhe o seu lado, a escolha errada pode custar a sua vida.

Muita gente me dizia que fazer resenha de um livro que você amou é mais difícil do que a resenha de um livro "normal" e eu nunca achei que fosse verdade. Até agora. 
Estou a alguns minutos procurando as palavras certas, que consigam fazer jus á essa história tão intrigante e apaixonante ao mesmo tempo. A história que fala de um amor proibido, o amor de um anjo caído por uma simples humana. 

Eu já tinha lido "Sussurro" e "Silêncio" antes de ter o blog e, como estava sem livros e dinheiro, resolvi reler a série e já ver se a minha opinião seria a mesma de um ano atrás. E, felizmente, o amor pela história só aumentou. Nora, ao contrário da maioria das protagonistas, não é aquela menina monga, que te deixa com vontade de entrar no livro e dar uns sacodes nela (na maioria das vezes). Ela é uma menina extremamente focada nos estudos e tranquila em relação á festas, bebidas e lugares perigosos. Até encontrar Patch e ver sua vida e seus conceitos virarem de ponta cabeça. Desde o primeiro dia que ela o viu, soube que ele não era o tipo de menino que as mães da cidade sonhavam em ter como genro e nem ela como um namorado/ficante (mesmo ele sendo um deus grego).

A atração entre Patch e Nora vai ficando mais forte a cada dia e, quanto mais ela se envolve com ele, mais ela se vê envolvida por um mundo obscuro, que pode ter mais relação com a sua vida do que ela imagina. Eu nunca tinha lido um livro que falasse sobre anjos caídos como a autora fala, com todos aqueles detalhes e informações. Uma das coisas mais legais é que você vai aprendendo sobre esse novo mundo junto com a Nora e, diferente de alguns livros, você não se sente perdido e consegue acompanhar muito bem a história. A escrita é muito fácil e quanto mais você lê, mais você se vê envolvida e apaixonada pela história e Patch.
Enfim, a série HUSH HUSH tem um lugar especial reservado no meu coração de leitora e, sem dúvida, é uma das melhores séries que eu já li até hoje. Estou roendo as unhas de tanta ansiedade para começar a ler "Finale" e ver como que essa história vai terminar...

[Especial] Leitura e música: Combinam?

Imagem: @prismadofreud

Muita gente só consegue ler ouvindo música e, se não se tiver nada tocando, começa a ficar desconfortável e, alguns, chegam até a parar a leitura para procurar alguma música para colocar de fundo. Algumas pessoas já me falaram que ler com uma música ao fundo é bem mais emocionante e a leitura também flui muito mais fácil e rapidamente. Têm aqueles que colocam a trilha sonora própria do livro/série (que algumas vezes são disponibilizados pela própria editora), outros que escutam o que der vontade e mais alguns que pegam a trilha sonora da adaptação para as telinhas (se tiver, claro).
Confesso que já tentei muitas vezes ler com uma música no fundo e não consegui. Eu me desconcentro muito rápido quando têm alguma música tocando ao fundo (principalmente se for nacional) e, meio que sem querer, me deixo levar  pela música e fico pensando em coisas totalmente aleatórias ao livro. Para conseguir absorver totalmente a história, preciso estar em algum lugar totalmente quieto ou com algumas conversas paralelas, no máximo, mas nunca em um lugar que tenha alguma música muito alta. 
Não sei se é apenas comigo, mas, a música me desconcentra e mesmo lendo o trecho do livro várias vezes seguidas, não consigo entender totalmente o que ele quis dizer. Então, para ver se é apenas eu que tenho esse problema de ler com música de fundo, fiz algumas perguntas para um pessoal do meu instagram. Clique em "Leia mais" e veja o que elas responderam!

Surtando: Nicholas Sparks em Curitiba!

Lá estava eu conversando com as minhas amigas sobre os livros que já lemos e os livros que queremos ler quando elas me dizem que vão faltar aula para conseguir pegar senha na Livrarias Curitiba. Eu pergunto o porquê e elas me falam: "Para conhecer o Nicholas ué!". Demorei um pouco para conseguir processar qual Nicholas que era e quando me toquei, quase surtei de felicidade e senti vontade de soltar fogos de artifícios de tanta alegria/emoção. não é exagero 
O tio Nick vai passar por São Paulo (28/08), Curitiba (29/08) e Rio de Janeiro (31/08).
As senhas para conseguir dois autógrafos do Nicholas (um autógrafo em um livro que você levar e outro no livro que vai ser lançado: Uma Longa Jornada) e vê-lo de pertinho awn em Curitiba vão começar a ser distribuídas no dia 08 desse mês e serão apenas 350 senhas, ou seja, vai ser um arranca rabo para conseguir haha. 
Ele também vai fazer um bate-papo com tradução simultânea, para pessoas como eu, não sofrerem tentando traduzir o que ele diz! As senhas vão servir apenas para conseguir o autógrafo, então se você quiser, pode ir lá dar uma passadinha para conferir o bate-papo!




Resenha: Cinquenta Tons de Cinza

Autor: E.L James
Editora: Instríseca
Páginas: 455
Avaliação: ❤ ❤ ❤ ❤ ❤ (3,5/5)

Quando Anastasia entrevista o jovem empresário Christian Grey, descobre nele um homem atraente, brilhante e profundamente dominador. Ingênua, Ana se surpreende ao perceber que está desesperadamente atraída por ele. Incapaz de resistir à beleza discreta, à timidez e ao espírito independente de Ana, Grey admite que também a deseja - mas em seus próprios termos. Chocada e ao mesmo tempo seduzida pelas estranhas preferências de Grey, Ana hesita. Por trás da fachada de sucesso, Grey é um homem atormentado por demônios do passado e consumido pela necessidade de controle. Quando eles embarcam num apaixonado e sensual caso de amor, Ana não só descobre mais sobre seus próprios desejos, como também sobre os segredos obscuros de Grey...


Acabei de terminar de ler Cinquenta tons e me sinto como se tivesse terminado de ler Crepúsculo. Só que ao invés de terem vampiros e os lobos, tem sexo e o Sadomasoquismo.

Sobre os personagens: Anastasia é uma menina desajeitada, recatada, que nunca teve um namorado antes, insegura com seu próprio corpo e amante de livros, que não consegue acreditar que um homem "perfeito" como Christian Grey está perdidamente apaixonado por ela. Toda vez que fica perto dele, fica com a respiração descontrolada e não consegue se concentrar em nada, além dos seus olhos e boca. Já Christian Grey é um homem totalmente controlador (e bota controlador nisso), bonito (daquele tipo que para o trânsito e deixa qualquer menina sem jeito), seguro de si, que gosta de tocar piano, obras clássicas, que aparenta ser bem mais velho do que realmente é e que quer Anastasia apenas, e somente, para ele. olá Edward e Bella, quanto tempo! 
Sobre a história: Ana está prestando um favor para sua amiga Kate, que está muito doente, ao ir entrevistar o grande empresário Christian Grey. Ela não possui nenhuma biografia sobre ele e fica totalmente espantada ao ver que ele não é um homem de quarenta e poucos anos, mas sim, um homem com mais ou menos sua idade e lindo de morrer. Em uma das perguntas, Christian responde que gosta de controlar as coisas e as pessoas á sua volta. O que Ana não sabia, era que ele não estava brincando. Antes mesmo dos dois terem algum relacionamento (seja físico ou emocional), ele já tem o celular dela rastreado e começar a persegui-lá até conseguir marcar um encontro. Mas o pior de tudo isso, na minha opinião, é que Anastasia não acha isso nem um pouco assustador ou estranho, e caramba, eu sou a única que ficaria com um pouco de medo de um cara, que eu nem conheço direito, rastrear o meu celular e começar a me perseguir? Acho que pelos olhos de E.L James, sim.
Nesse encontro ele dá um contrato de confidencialidade para Ana assinar, e logo depois que ela assina, ele resolve mostrar seu mundo obscuro e erótico para ela. Um mundo que Ana nunca tinha se quer chegado perto, mas que a deixa cada vez mais envolvida no decorrer da história.

O livro é narrado pela Anastasia em primeira pessoa e muitas vezes encontramos passagens dela com sua "deusa interior" (o que me lembrou muito o filme "Lizzie McGuire - Um Sonho PopStar"), além dos e-mails que ela troca com Christian e as descrições sexuais. O livro não vai além disso, mas mesmo que a história não seja uma das melhores, a narrativa da autora é muito leve e rápida e ela sempre deixa um gostinho de quero mais no final de cada capítulo, o que fez com que eu terminasse de ler Cinquenta tons em apenas dois dias.
Confesso que estou com muita vontade de começar o segundo livro, o mistério de Christian me deixou com uma pontinha de curiosidade e fiquei com vontade de saber o que é que vai acontecer com o casal (mesmo que eu já tenha uma ideia, baseada em Crepúsculo).
Acho que muita gente exagerou quando foi dar sua opinião negativa sobre a trilogia, mesmo que a narrativa e a história sejam meio fracas, ela não é tão ruim assim. Já li livros piores, acredite.

  • Vale lembrar que "Cinquenta Tons de Cinza" é um livro de conteúdo adulto e possui, praticamente toda hora, cenas de sexo e muitos palavrões. 

Capa X Capa: Feita de fumaça e Osso

Vi essa coluna no Estante Vertical, blog da fofa Luara, e resolvi começar a postar ela aqui no blog!
Hoje vou postar as capas do livro "Feita de fumaça e Osso" pelo simples fato de que gostei muito dele e que estou louca pela continuação, que tem data para lançar apenas no final desse ano ):
Então vamos para as capas:
Alemanha                                                                    Brasil
   China                                                                Coréia do Sul
Eslováquia                                                               França
  
        Grécia                                                         Indonésia
           Itália                                             República Tcheca
 
Reino Unido


Eu gostei bastante das capas da Alemanha, Coréia do Sul, Indonésia e República Tcheca. Mas ainda prefiro a nossa aqui do Brasil, acho que chama bem mais a atenção do leitor!
E vocês, qual capa vocês mais gostaram?

Resenha: Bem mais perto


Autor: Susane Colasanti
Editora: Novo Conceito
Páginas: 240
Avaliação: ❤  ❤ ❤  (2,5/5)


"Quando Brooke descobre que o amor de sua vida, Scott Abrams, está se mudando do subúrbio de New Jersey para Nova York, ela decide segui-lo até lá. Viver com o pai ausente e se adaptar a uma escola totalmente nova são desafiantes para ela — e as coisas ficam ainda piores quando ela descobre que Scott já tem uma namorada. Mas como ela aprende a sobreviver na cidade grande, começa a descobrir todo um novo lado de si mesma e percebe que, às vezes, o amor pode te encontrar mesmo quando você não está olhando para ele."





Confesso que quando li a sinopse do livro fiquei muito ansiosa para lê-lo, a história parece ser bastante interessante e com bastante emoção. Porém, não é nada disso. 

"Quando Brooke descobre que o amor de sua vida, Scott Abrams, está se mudando do subúrbio de New Jersey para Nova York, ela decide segui-lo até lá."  

Quando li esse trecho da sinopse, me veio a ideia de que Brooke e Scott já possuíam uma relação, nem que fosse uma amizade, razoavelmente forte (até porque ir atrás de uma pessoa que você nem fala com você é, além de uma ilusão, uma burrice!), mas foi só eu começar o primeiro capítulo para perceber que a Brooke nunca falou com o "amor da sua vida" e que ela era uma menina muito iludida e, desculpe pessoas que gostam dela, burra. Mas o pior não era isso, pois todo mundo já teve um amor platônico (se você falar que nunca teve ou está mentindo ou ainda vai ter um), o pior era que a Brooke tinha a mentalidade de uma menina de 12 anos, achando que o Scott era o seu príncipe encantado e ele que iria de cavalo branco atrás dela para puxar conversa. Mas tudo bem, Scott se mudou para Nova York () e ela enlouquecida foi morar com seu pai, que possuía uma casa perto da cidade, para ficar perto dele. Isso também ajudou a me deixar com muita raiva da Brooke pois, pelo o que ela narra no livro, ela o ignorava totalmente desde que ele se separou da mãe. Ou seja, além de iludida e burra, ela também é interesseira. 

Por coincidência, Scott estuda no mesmo colégio e possui uma aula junto com ela, e Brooke que de boba não tem nada na verdade tem, mas isso é só um jeito de falar começar a puxar assunto com ele  fica amiga do mesmo. Logo depois de descobrir que ele mora perto dela, ela começar a andar pelas ruas do seu bairro e redondezas atrás da casa do Scott quase ou todas as noites. Ou seja, ela também é uma stalker nível infinito, temos que colocar isso na lista. Pouquíssimo tempo depois, ela descobre que Scott possui uma namorada, pra que né, e quase morre com tanta decepção.

No meio de todo esse drama adolescente ela vira amiga de Sadie que consegue convence-la a ajudar alunos que possuem dificuldade em aulas de "reforço", pois ela tem um QI acima da média. Brooke decide começar a ajudar esse alunos e nisso, conhece John, o melhor personagem do livro e o único que possui a cabeça no lugar, que começa a mostrar á ela as belezas de Nova York e todos os seus pequenos detalhes. 

Não vou continuar a falar sobre o livro, pois eu daria spoleirs sobre o final, mas vou resumir a minha leitura em uma palavra: decepcionante. Se você tem mais de 14 anos, não recomendo que você leia ele, pois a história e a personagem são tão infantis e sem noção que começam a te irritar. 


Se você já leu esse livro, me diga nos comentários o que achou dele. E se você ainda não leu mas já conhecia o livro, me diga o que você achava que a história traria. 

Resenha: Starters

Autor: Lissa Price
Editora: Novo Conceito
Páginas: 368
Avaliação: ❤ ❤ ❤ ❤  (5/5)

"Callie perdeu os pais quando as guerras de Esporos varreu todas as pessoas entre 20 e 60 anos. Ela e seu irmão mais novo, Tyler, estão se virando, vivendo como desabrigados com seu amigo Michael e lutando contra rebeldes que os matariam por uma bolacha. A única esperança de Callie é Prime Destinations, um lugar que abriga uma misteriosa figura conhecida como "O Velho". Ele aluga adolescentes para alugar seus corpos aos Terminais — idosos que desejam ser jovens novamente. Callie, desesperada pelo dinheiro que os ajudará a sobreviver concorda em ser uma doadora. Mas o neurochip que colocam em Callie está com defeito e ela acorda na vida de sua locadora, morando em uma mansão, dirigindo seus carros e saindo com o neto de um senador. Parece quase um conto de fadas, até Callie descobrir que sua locatária pretende fazer mais do que se divertir..." 

Nunca tinha tido a oportunidade de ler um livro de distopia, mas depois que eu li "Starters" fiquei com muita vontade de ler outros livros com esse tema. 
Demorei um pouco pra começar a ler esse livro pelo simples fato de que a sinopse não conseguiu me deixar ansiosa. E me arrependo um pouco de ter demorado tanto para começar ele. Confesso que fiquei um pouco confusa no começo da história (demorei para conseguir diferenciar os Starters dos Enders pois sou lenta mesmo) mas depois que eu engatei na história não queria mais largar o livro. A narrativa é muito rápida e o final dos capítulos sempre deixam um gostinho de quero mais. Quando terminei o livro fiquei muito p** da vida pois não sabia que o livro tinha continuação (risos)
Estou muito ansiosa pelo próximo livro pois a autora deixou cliffhangers tão grandes - e tão bons - que não tem como não ficar ansiosa. 
P.s: Só espero que o Michael aparece mais nesse segundo livro pois ele é um personagem muito bom para aparecer tão pouco ):

Especial: Universidade Monstro

Hoje vou sair um pouco do assunto "livros" e vou fazer uma coluna sobre um filme que é puro amor e infância: Universidade Monstro.

Quando eu soube que iria assistir esse filme em 3D no cinema fiquei mega feliz imaginem então quando eu soube que iria ser de graça, pois sempre achei que a história era muito boa para ter apenas um filme e também porque me apeguei demais aos personagens MikeSullivan e Boo. 

Já fiquei feliz antes mesmo do filme por causa do curta que passou - O guarda chuva azul - que me deixou com vontade de falar "awwwwwwwn" eternamente.

Imagem: Reprodução

Mike Wazowski (Billy Crystal) e James P. Sullivan (John Goodman) são uma dupla inseparável em Monstros S.A., mas nem sempre foi assim. Quando se conheceram na universidade, os dois jovens monstros se detestavam, com Mike sendo um sujeito estudioso, mas não muito assustador, e Sulley surgindo como o cara popular e arrogante, graças ao talento inerente para o susto. Após um incidente durante um teste, os dois são obrigados a participarem da mesma equipe na olimpíada dos sustos. A equipe, por sinal, é formada por uma série de monstros desajustados, para o desespero de Sulley, acostumado a conviver com os caras mais populares da escola. (Adoro Cinema)

Imagem: Reprodução

Nem preciso dizer que eu amei o filme não é? Gostei muito de ver os personagens em uma versão criança e depois universitária (o Mike ficou mega meigo) e dei muita risada com o filme! Nunca pensei que o Mike tivesse passado por tudo isso e gostei muito da história que eles criaram. 
Se você ainda não assistiu Monstros S.A (isso é possível?) não se preocupe, pois você não vai ficar perdido no filme, mas na minha opinião, vai ficar tudo mais engraçado se você tiver assistido.

P.S: Preciso confessar que queria muito ter visto a Boo nesse filme, mas ela não tem nada a ver com essa história então... Vou ficar na vontade mesmo ):

Mas então, mais alguém assistiu? O que achou?

Resenha: Estrelas tortas

Autor: Walcyr Carrasco
Editora: Moderna
Páginas: 108
Avaliação: ❤ ❤ ❤ ❤  (5/5)


Marcella é uma jovem bonita e esportiva. Sofre um acidente de automóvel, com a mãe ao volante. Torna-se paraplégica. Sua vida muda completamente. Seu cotidiano é cruel. Aprende a adaptar-se à perda de movimentos. Tudo parece difícil. Mas ela descobre novos amigos e encontra forças para reconstruir sua vida mostrando que, por pior que sejam os obstáculos, sempre é possível dar a volta por cima. Cada capítulo é narrado em primeira pessoa por alguém da família ou do círculo de amigos de Marcella, dando versões diferentes da tragédia e mostrando como se pode encontrar um novo caminho.






O livro em si é muito curto, e quando eu peguei ele para ler não achei que a história mexeria tanto assim comigo. O livro narra a história de Marcella, uma jovem bonita e saudável que acaba de sofrer um acidente de carro com a sua mãe e fica paraplégica. Porém, esse momento não é só narrado por ela mas também por todas as pessoas que a cercam (pai, mãe, irmão, avó, melhor amiga, ex-ficante e etc), o que faz com que a história fique muito mais interessante pois dessa maneira, você consegue ver o impacto que um acidente desse gênero traz para a família e os amigos da vítima. Eu não li o livro em apenas um dia pelo simples fato de que eu estava ainda estou passando por aquela semana de desânimo com a leitura, mas se não fosse isso, eu teria terminado ele facilmente em um dia. A escrita do autor é muito fácil e rápida, é uma leitura muito leve e quando você começa a ler não quer mais parar. O autor não entra em muitos detalhes com os personagens e eu acho que essa realmente não era a intenção dele e, na minha opinião, até foi melhor assim (acho que a história ficaria muito cansativa se o autor tivesse se focado nessa ideia de escrever a fundo os detalhes dos personagens). Recomendo muito esse livro, mesmo sendo pequeno ele te faz pensar sobre como nós somos sortudos por sermos "perfeitos" e conseguirmos fazer até mesmo, as coisas mais simples do nosso cotidiano sem nenhum esforço.


Resenha: Por isso que a gente acabou

Autor:  Handler, Daniel
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 376
Avaliação: ❤  ❤ ❤ ❤ (2/5)

"Por isso a gente acabou trata de uma situação difícil pela qual todos um dia irão passar: o fim de uma relação amorosa. Min Green e Ed Slarteron estudam na mesma escola e, depois de apenas algumas semanas de convívio intenso e apaixonado, acabam o namoro. Depois de sofrer muito, Min resolve, como marco da ruptura definitiva, entregar ao garoto uma caixa repleta de objetos significativos para o casal junto com uma carta falando sobre cada um desses objetos e do episódio que ele representou, sempre acrescentando, ao final, uma nova razão para o rompimento."




Acho que vou ser lixada depois dessa resenha, mas tem que falar a verdade, então vamos lá: Já tinha lido muitas resenhas sobre esse livro, que falavam super bem da história e tudo mais. Por isso, estava louca para comprar ele e, quando comprei, fiquei apaixonada pelas ilustrações que marcavam o começo dos capítulos e etc... Mas então, comecei a história e, confesso, fiquei muito decepcionada. Achei a personagem principal chata, principalmente por causa das referências a filmes que ela fazia a todo tempo, e achei muito... não sei... infantil (?) ela fazer todo esse drama por causa de um relacionamento que durou apenas algumas semanas. Sempre que eu retomava a leitura, eu me esquecia da história e tinha que voltar algumas páginas para me localizar. Esperava uma história bem mais interessante e personagens melhores, até por que o autor é muito bem falado por causa da série de livros "Desventuras em série" e também porque a ideia em si é muito boa, porém fiquei na vontade e abandonei o livro na metade. Quem sabe um dia eu volte a ler ele e mude de ideia, mas não sei se terei paciência então, acho que vou ter que ficar com essa imagem de "livro decepcionante". 
Confesso que estou sofrendo uma decepção literária no momento...

Resenha: Lonely Hearts Club

Autor: Elizabeth Eulberg
Editora: Intrinseca
Páginas: 240
Avaliação: ❤ ❤ ❤ ❤  (4/5)

"Penny Lane Bloom cansou de tentar, cansou de ser magoada e decidiu: homens são o inimigo. Exceto, claro, os únicos quatro caras que nunca decepcionam uma garota — John, Paul, George e Ringo. E foi justamente nos Beatles que ela encontrou uma resposta à altura de sua indignação: Penny é fundadora e única afiliada do Lonely Hearts Club — o lugar certo para uma mulher que não precisa de namorados idiotas para ser feliz. Lá, ela sempre estará em primeiro lugar, e eles não são nem um pouco bem-vindos." 




E para aquelas pessoas que não possuem um namorado (a), como eu, não ficarem depressivas com todo esse amor no ar aí vai uma resenha sobre um livro que defende a idéia de que "Ninguém precisa de um namorado para ser feliz" \o/
Desde a primeira vez que vi a capa do livro, relacionei ela com a clássica foto dos Beatles, mas achei que não teria nenhuma relação com a história então fiquei com a ideia de que era mera coincidência... Até que eu comecei a ler o livro e vi que tinha tudo a ver! Penny é filha de pais totalmente "beatlemaníacos" (o seu nome e o nome de suas irmãs foram dados em homenagem á eles) e na minha opinião, eles foram quem mais me divertiram na história, mesmo que tenham aparecido poucas vezes. 
Quando eu li a parte de trás do livro, achei que seria apenas mais uma história sobre uma menina que se decepcionou com um garoto e que resolve ficar contra eles (e acertei em algumas partes). A autora não entra em muitos detalhes com os personagens em geral, e pode-se dizer que é uma história um pouco artificial e previsível. A personagem principal muitas vezes têm uma atitude muito infantil para uma guria de 16 anos, como achar que o mundo vai acabar por causa do pé na bunda que ela levou de algum menino, e possui as típicas características de uma menina protagonista de livros juvenis: linda, tira boas notas e é uma ótima amiga. 
Mas em geral, eu recomendo o livro para quem acabou de sair de uma leitura  mais "pesada" e quer relaxar lendo alguma coisa mais light. Bom, Lonely Hearts Club é o livro ideal.

Resenha: Reencontro

Autor: Leila Kruger
Editora: Novo Século
Páginas: 494
Avaliação: ❤ ❤ ❤ ❤  (4/5)

"Está bem no fundo. Não se pode alcançar... aos poucos, vai roubando o ar.” Ana Luiza vai perdendo seu fôlego: o fim de (mais) um grande amor, um pai distante, uma mãe fútil, uma amizade complexa e "pessoas que sempre vão embora". Com suas músicas de rock, seus livros e seus cigarros, Ana Luiza vê sua vida desmoronar. "O amor é uma ferida”, ela sentencia. Mas a “garota de olhar longínquo” tem um encontro inesperado com um alguém aparentemente muito diferente dela: os “olhos imensos”, que tudo veem... Presa em seu próprio mundo e rendida ao álcool e às drogas, Ana Luiza tenta fugir. Principalmente do temido amor, que tanto a feriu... "



Desde a primeira vez que eu vi o livro, fiquei apaixonada. Ainda não sei o porquê desse amor instantâneo pela capa do livro já que é uma capa até que simples, mas aconteceu, e depois de ler o livro e ver o começo dos capítulos (todos os capítulos possuem uma frase do Vinicius de Moraes, Cecília Meirelis ou um trecho de música) o amor aumentou ainda mais. Como eu tenho o costume de não ler o texto da parte de trás do livro, comprei ele levando em conta apenas a minha paixão instantânea pela capa (Sabe a história de não julgar o livro pela capa? Tudo balela pra mim). E foi só depois que eu comecei a ler o livro que eu percebi que o ele era brasileiro e acontece no Rio Grande do Sul tchê e que ele tem várias gírias daquela região o que deixou ele ainda mais especial <3 Até onde eu lembro, eu não tive nenhuma experiência maravilhosa com livros brasileiros, mas esqueci desse pequeno detalhe e entrei de corpo e alma na história. Reencontro é aquele tipo de livro que te faz ficar apegado ao personagem e fazer da dor dele, a sua também. Fiquei “deprê”, dei risada, fiquei envergonhada, com raiva, fiquei com vontade de chorar e ás vezes não me aguentei e chorei algumas vezes com a Ana e sofri junto com ela todas as perdas. O livro tem uma narrativa super leve e rápida e os capítulos são curtos, o que facilita bastante a leitura. O que mais me deixa surpresa é que o livro é bem pouco conhecido, assim como a autora. O que me dá mais um motivo para falar dele toda hora que alguém entra no assunto “Livros”. A experiência com essa história foi tão boa e tão cativante, que eu até fiquei com esperanças de mudar totalmente minha opinião sobre a literatura brasileira. 
P.s: Só fiquei decepcionada com o final, acho que a autora poderia ter acabado a história alguns capítulos antes...

Caixa de Correio #01: Mês de Junho

O que seria de mim sem a submarino? É o que eu sempre me pergunto quando eu vejo meus livros. No final do mês passado (maio) a submarino fez uma promoção que se você comprasse 5 ou mais livros, ele ficariam apenas por 10 reais. Sim, é verdade. E sim, eu surtei e queria comprar todos os livros da seção. Quando eu soube, corri pro site reservar os livros que eu queria antes que acabassem haha. Eles chegaram ontem de tarde, dentro do prazo e todos bem embalados como sempre. Minhas aquisições do mês:



Feios
Autor: Westerfeld, Scott
Editora: Galera Record
Páginas: 416

"Tally está prestes a completar 16 anos, e ela mal pode esperar. Não por sua carteira de motorista – mas para se tornar bonita. No mundo de Tally, seu aniversário de 16 anos traz uma operação que torna você de uma horripilante pessoa feia para uma maravilhosa pessoa linda e te leva para um paraíso de alta tecnologia. Em apenas algumas semanas Tally estará lá. Mas a nova amiga, Shay, não tem certeza se ela quer ser bonita. Ela prefere arriscar sua vida do lado de fora. Quando ela foge, Tally aprende sobre um lado totalmente novo do mundo dos bonitos – que não é tão bonito assim. As autoridades oferecem a Tally sua pior escolha: encontrar sua amiga e a entregar, ou nunca se transformar em uma pessoa bonita. A escolha de Tally faz sua vida mudar pra sempre."



Starters - Sobreviver É Apenas o Começo
Autor: Lissa Price
Editora: Novo Conceito
Páginas: 368

"Callie perdeu os pais quando as guerras de Esporos varreu todas as pessoas entre 20 e 60 anos. Ela e seu irmão mais novo, Tyler, estão se virando, vivendo como desabrigados com seu amigo Michael e lutando contra rebeldes que os matariam por uma bolacha. A única esperança de Callie é Prime Destinations, um lugar que abriga uma misteriosa figura conhecida como o Old Man. Ele aluga adolescentes para alugar seus corpos aos Terminais — idosos que desejam ser jovens novamente. Callie, desesperada pelo dinheiro que os ajudará a sobreviver concorda em ser uma doadora. Mas o neurochip que colocam em Callie está com defeito e ela acorda na vida de sua locadora, morando em uma mansão, dirigindo seus carros e saindo com o neto de um senador. Parece quase um conto de fadas, até Callie descobrir que sua locatária pretende fazer mais do que se divertir e que os planos de Prime Destinations são tão diabólicos que Callie nunca podia ter imaginado..." 



Por Isso a Gente Acabou
Autor:  Handler, Daniel
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 376

"Por isso a gente acabou trata de uma situação difícil pela qual todos um dia irão passar: o fim de uma relação amorosa. Min Green e Ed Slarteron estudam na mesma escola e, depois de apenas algumas semanas de convívio intenso e apaixonado, acabam o namoro. Depois de sofrer muito, Min resolve, como marco da ruptura definitiva, entregar ao garoto uma caixa repleta de objetos significativos para o casal junto com uma carta falando sobre cada um desses objetos e do episódio que ele representou, sempre acrescentando, ao final, uma nova razão para o rompimento."





Lonely Hearts Club
Autor: Elizabeth Eulberg
Editora: Intrinseca
Páginas: 240

"Penny Lane Bloom cansou de tentar, cansou de ser magoada e decidiu: homens são o inimigo. Exceto, claro, os únicos quatro caras que nunca decepcionam uma garota — John, Paul, George e Ringo. E foi justamente nos Beatles que ela encontrou uma resposta à altura de sua indignação: Penny é fundadora e única afiliada do Lonely Hearts Club — o lugar certo para uma mulher que não precisa de namorados idiotas para ser feliz. Lá, ela sempre estará em primeiro lugar, e eles não são nem um pouco bem-vindos." 

Bem Mais Perto

Autor: Susane Colasanti
Editora: Novo Conceito
Páginas: 240

"Quando Brooke descobre que o amor de sua vida, Scott Abrams, está se mudando do subúrbio de New Jersey para Nova York, ela decide segui-lo até lá. Viver com o pai ausente e se adaptar a uma escola totalmente nova são desafiantes para ela — e as coisas ficam ainda piores quando ela descobre que Scott já tem uma namorada. Mas como ela aprende a sobreviver na cidade grande, começa a descobrir todo um novo lado de si mesma e percebe que, às vezes, o amor pode te encontrar mesmo quando você não está olhando para ele."

Resenha: Garotas de vidro

Autor: Laurie Halse Anderson
Editora: Novo Conceito
Páginas: 272
Avaliação: ❤ ❤ ❤ ❤ ❤ (5/5)

"Lia está doente e sua obsessão pela magreza a deixa cada vez mais confusa entre a realidade e a mentira. Mas ela perde totalmente o controle quando recebe a notícia de que sua melhor amiga, Cassie, morreu sozinha em um quarto de motel. E o pior: Cassie ligou para Lia 33 vezes antes de morrer. O que começou como uma aposta entre duas amigas para ver quem ficaria mais magra tornou-se o maior pesadelo de duas adolescentes reféns de seus próprios corpos. Ao negar seu problema, Lia impõe a si mesma um regime cruel em que contar calorias não é o bastante. Ao omitir seu desespero, apela ao autoflagelo numa tentativa premeditada de aliviar seus tormentos." 




Uma promessa de infância: "Seremos as mais magras do colégio, juntas." e um problema para a vida inteira. Lia é uma garota que sofre de anorexia e bulimia nervosa e que coloca na sua cabeça que a comida é a sua nova inimiga. Sua meta? 45, 40, 35, 0 quilos. Sua situação piora quando sua melhor amiga de infância morre sozinha em um quarto de motel, depois de ter ligado 33 vezes para ela. O livro "Garotas de vidro" mostra a impactante realidade da vida de uma garota com problemas alimentares, suas obceções, seus medos e seus pensamentos. No começo fiquei um pouco confusa com a escrita, mas depois do quarto capítulo me acostumei e comecei a ficar fascinada pela história. Laurie possui o dom de fazer você se envolver com a história e, no meu caso, se identificar um pouco com ela. Não que eu seja anoréxica ou algo do tipo, mas sempre tive uma obsessão por manter meu peso e também um pouco de complexidade com o meu corpo. A história em si é bastante impactante, e precisa ser lida sem nenhum preconceito ou julgamentos. Garotas de vidro acaba de entrar na minha lista de livros prediletos desse ano e em geral. Ótima leitura.

Resenha: O Lado bom da Vida

Autor: Matthew Quick
Editora: Intrinseca
Páginas: 256
Avaliação: ❤ ❤ ❤ ❤ 

Pat Peoples, um ex-professor na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele “lugar ruim”, Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um "tempo separados". Tentando recompor o quebra-cabeças de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com seu pai se recusando a falar com ele, a esposa negando-se a aceitar revê-lo e os amigos evitando comentar o que aconteceu antes da internação, Pat, agora viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida. 



Acho que "O Lado bom da Vida" foi um dos livros que mais mexeram comigo. A história tem uma narrativa muito boa, engraçada e leve. O livro trabalha um pouco do psicológico do personagem, e enquanto eu lia o livro o autor realmente conseguiu fazer com que eu pensasse sobre o lado bom da minha vida. Eu fiquei totalmente apaixonada pelo Pat e pela inocência que ele, eu acho, ganhou por culpa do tempo que ficou na clínica (em algumas partes do livro eu ficava com vontade de entrar no livro, abraçar ele e dizer que tudo ia ficar bem mas infelizmente, não conseguimos fazer isso ):). Muita gente reclamou do fato do livro ter muitas partes sobre jogos de futebol e tudo mais, mas eu não fiquei nem um pouco incomodada, pelo contrário, achei que a história ficou bem mais completa desse jeito. Matthew Quick consegue fazer você ficar ansioso pelo próximo capítulo e te dá um final totalmente inesperado. Isso me deu muita curiosidade em ler outro livro dele, mas ainda não pesquisei para saber se ele tem mais algum lançado e etc... Enfim, sou totalmente suspeita em falar sobre esse livro pois eu simplesmente amei ele.